Diferença entre Bulimia, Anorexia e Compulsão Alimentar

Espaco Adhara
01/03/2018

 

Os transtornos alimentares se caracterizam " por uma perturbação persistente na alimentação ou no...


 

Os transtornos alimentares se caracterizam " por uma perturbação persistente na alimentação ou no comportamento relacionado à alimentação, que resulta no consumo ou na absorção alterada de alimentos e que compromete significativamente a saúde física ou o funcionamento psicossocial."(DSM-V). Dentre esses transtornos encontramos três patologias que são mais encontradas e será sobre elas que iremos abordar.

Bulimia Nervosa

A bulimia nervosa apresenta episódios recorrentes de compulsão alimentar, que se caracteriza pela ingestão de uma quantidade de alimento maior do que a maioria das pessoas comeriam naquele mesmo período ou circunstância.  Existem comportamentos compensatórios, como a indução de vômito, uso indevido de laxantes e diuréticos, jejum, exercícios em excesso, para evitar o ganho de peso que, em média, ocorem uma vez por semana por, no mínimo, três meses. Sua auto avaliação é influenciada pela forma e peso corporal.

Anorexia Nervosa

A anorexia nervosa tem como característica a restrição proposital de ingestão de alimentos calóricos gerando um peso significativamente baixo. Com a auto-imagem distorcida a pessoa não enxerga que está com baixo peso e seu medo de engordar faz com que ela tenha comportamentos de interferir no ganho de peso.

Existem dois subtipos:

1. Tipo Restritivo: A pessoa não teve episódios de compulsão alimentar ou comportamentos purgativos (indução de vomito, uso de laxantes, diuréticos), ou seja, a perda de peso é alcançada exclusivamente pela dieta, jejum, ou exercícios excessivos.

2. Tipo compulsão alimentar purgativa: Nesse subtipo a pessoa se envolveu em episódios recorrentes de compulsão alimentar purgativa nos últimos três meses.

Transtorno de Compulsão Alimentar

O transtorno possui episódios recorrentes de compulsão alimentar, que consiste na ingestão de uma quantidade de alimento maior que a maioria das pessoas consumiriam na mesma situação. Existe a sensação de falta de controle no que está ingerindo, como se não conseguisse parar de comer ou não controlasse o que e quando come. Os episódios estão associados a três ou mais dos seguintes aspectos: Comer mais rápido que o normal; comer até se sentir desconfortavelmente cheio; comer grandes quantidades de alimento sem fome física; comer sozinho por vergonha do que está comendo; sentir culpa, deprimido em seguida a refeição. Os episódios costumam acontecer em média uma vez por semana por no mínimo, três meses.

Como é o tratamento?

Muitas pessoas que se encontram dentro de algum desses transtornos acreditam que não há nada a fazer, porém existe tratamento. Parte deste tratamento consiste em buscar um profissional da área da psicologia. Na área na qual trabalho, a psicologia cognitiva comportamental, buscamos a diminuição da restrição e da compulsão alimentar, diminuição dos episódios bulímicos e atividades excessivas. Buscamos melhorar o sistema de crenças relacionadas à aparência, peso, alimentação da pessoa, diminuindo as distorções de imagem e melhorando sua autoestima.

 

 

Referência: DSM_V.

https://blogs.sapo.pt/cloud/file/b37dfc58aad8cd477904b9bb2ba8a75b/obaudoeducador/2015/DSM%20V.pdf. Último acesso 26 de fevereiro de 2018.

Gostaria de saber mais?

Entre em contato para maiores esclarecimentos sobre nossos serviços e workshops.